segunda-feira, abril 10, 2006

Uma carta bem clichê (por Pedro)


Eita chuvinha gostosa aquela que resolveu cair bem naquela hora né? Eu que pensava que não tinha mais nada, mas era só um começo... estou a me perguntar agora como eu acho tão fácil assim as tuas notas. Parece que elas estão sempre nos meus acordes... sabe... levando isso em consideração, a gente pode enxergar dessa forma ó: “As coisas que você faz e/ou diz, independente que você entenda ou não eu acabo entendendo mesmo quando não entendo” (coloquei as aspas por ser um pensamento meu, mas inerente a mim... entendeu?)

Lembra daquele “tum-tum” no meu peito? Eu lembro... até hoje ele ecoa... pra te falar a verdade não lembro dele tão “tum” assim outra vez... acho que foi o medo, o alívio, teus olhos, não sei!

Não to procurando... juro! Mas acho que to achando...

7 Comentários:

Anonymous soninha disse...

eita... filosofico não... parece estar feliz... assim eu fico feliz tb ... adoro ver meus amigos felizes =]

bjos

te amo menino

te cuida =]

11:19 AM  
Anonymous soninha disse...

eita... filosofico não... parece estar feliz... assim eu fico feliz tb ... adoro ver meus amigos felizes =]

bjos

te amo menino

te cuida =]

11:19 AM  
Anonymous RiaNNe disse...

ihihihi

fikou mto fofo Pedroooo !!!
Serio...
Mto apaixonante , parece q tua amada tah taum longe, mas q por um instante ela voltou e te fez lembrar de como eh amar e sentir a insegurança de ter um amor !!!
Adorei a parte de como eh INCRÍVEL qnd amamos alguem, que as notas dela jah estão em nossos ACORDES...
E eh assim mesmo, qnd amamos eh como se jah conhecessemos akela pessoa a anos...
Adorei miguuuu

Te amooo...

bju bju bju

11:20 AM  
Blogger Peter B. Parker disse...

esse é o problema das pessoas sabe?elas querem demais,anseiam demais e procuram demais.esquecem que o melhor quase sempre vem dessa forma:sem querer.

11:44 AM  
Blogger Buguela disse...

eras que os tais dos acordes sempre se encaixam nessas notas aparentemente perdidas...Curioso? Não sei!

9:19 PM  
Anonymous Anônimo disse...

Não procurar e achar. Isso parece bem mais interessante que persistir e nunca desistir.

8:46 PM  
Anonymous Anônimo disse...

Sabe aquele "tum" do meu peito?
Hoje tá doendo.
Hoje é um "tum" rasgando.
Como "o revés de um parto"
Como "arrumar o quarto do filho que já morreu".
Angústia por ter procurado.
Angústia por não ter achado.
Saudade do que eu nunca vi.
Querer de novo o que eu nunca vivi.
Roubar o que já era meu.
Te dar o que nunca tive.
Acabar o que não comecei.
Começar o que não planejei.
Falar do que não sei.

Desculpa tô malzão

8:58 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial